Postagens populares

sábado, 22 de dezembro de 2012

Dia Feliz!

E hoje foi um daqueles dias bem felizes! Acordei pensando em tudo que aconteceu em 1 ano nas nossas vidas. Lembrei do dia 21 de dezembro de 2011. Eu estava super ansiosa, chorava com medo de não ser a hora ainda da nossa hora nascer... fiquei toda ansiosa e com aquela sensação de que iria ficar sem a minha barriga e assim não estaria protegendo mais a minha bebezinha linda. Noite mal dormida! Chega o dia 22 de dezembro de 2011. Chegamos à maternidade. Chegamos ao quarto para esperar a enfermeira nos chamar. Chegamos na sala de cirurgia1 Aí, chega a médica, chama o Jardel... Chega a Raquel. Lembro de quando a Dr ª Celeste olhou para a nossa pequena e disse "Carinha de papai".. Risos e lágrimas misturados. Emoção nunca sentida antes. Vida nova que vinha renovar nossas vidas.
Foi sem dúvidas, o ano mais feliz da minha vida e com certeza do Jardel também. Ano em que estamos aprendendo tanta coisa. Ano em que aprendemos a fazer novas caretas, novas brincadeiras de esconde esconde... ano em que saímos engatinhando pela casa para brincar de pega pega com a bebê...ano em que decoramos todas as musiquinhas da Galinha Pintadinha 1, 2  e 3... dias em que vimos o dia amanhecer para ficar brincando de qualquer coisa durante a noite... ano em que nosso coração aprendeu a rezar com muita intensidade... momentos em que vimos que ser pai e mãe é a matéria mais intuitiva desse mundo! 
Foi o melhor ano de todos! Tudo isso pelo simples fato de termos uma menina linda fazendo parte da nossa família! Temos uma bebezinha que sorri  e dá enormes gargalhadas para demonstrar o que gosta; uma menininha que grita e chora pra dizer "não é isso que eu quero", uma bebezinha que aponta com o dedo e diz "esse" para mostrar que já sabe se comunicar conosco. Somos pais imensamente abençoados por termos uma filha tão forte, que passa por tudo com garra e ainda saí dando risadas dos probleminhas encontrados pela frente. Somos felizes demais por sermos pais da nossa Raquelzinha, filha que amamos demais e para sempre!
Feliz aniversário meu benzinho! Grudinho da mamãe e princesa do papai!

domingo, 9 de dezembro de 2012

Milagre diante dos olhos

Quase todo mundo deve saber dos momentos pesados pelos quais passamos. Para algumas pessoas, acabamos nem contando o que de fato aconteceu. Pois bem, vou relatar aqui, mas faço questão de nem falar mais no assunto depois. Aquelas coisas pelas quais a gente passa, mas preferia nunca ter passado. 
Raquel desde que entrou na escolinha, vinha apresentando algum probleminha de saúde. Hora uma gripe, hora chiado no peito, hora falta de apetite, hora diarréia, hora roséola, ora assadura, hora nariz escorrendo... hora, hora e mais horas... Neste meio tempo, sempre estávamos indo em médicos. Homeopata, pediatra normal dela, pediatra particular e mais algum, que eu devo estar esquecendo agora.  O fato é, que dia 16 de novembro notamos que ela estava com febre. Liguei pro pediatra dela e tentei marcar uma consulta as pressas. Consegui apenas para o dia 19. Passamos o final de semana com a pequena tomando tilenol e dipirona para a febre. Aparentemente tudo dentro do normal. Levamos ao pediatra na segunda final da tarde e ele disse que ela estava com sinusite... receitou Astro pra ela... disse que fora isso, ela estava indo muito bem.  Me deu atestado para dois dias, dizendo que ela ainda teria febre no dia seguinte. Nenhum exame foi solicitado.
Dia seguinte: Demos o remédio como nos foi indicado e durante o dia, Raquel ficou só dormindo, com febre e gemendo... maior dozinha! Me corta o coração de lembrar... liguei novamente para o pediatra no final da tarde e relatei como Raquel estava. Ele disse para darmos alivium, pois achava que era a garganta dela que estava inflamada e tal... infelizmente demos o remédio... nada aconteceu... Raquel continuou toda amoadinha, parou de mamar no meu peito e a febre dela começou a subir mais ainda... nada baixava a febre... a única coisa que resolveu foi o banho morno... de 40,5 foi para 38,5... não me lembro ao certo em que horário foi, ela teve o primeiro episódio de vômito... pensamos em ir na emergência as 5 da manhã...mas Raquelzinha dormiu profundamente e aí achamos que depois de um soninho gostoso ela acordaria melhor... quando acordou por volta das 6:30 da manhã, estava tendo vômitos novamente.... em algum momento eu já havia pensado que poderia ser meningite... fomos procurar na net os sintomas... Raquel não apresentava todos eles... Pra quem me conhece bem, sabe que tive um irmão que faleceu de meningite meningococica... então, algo me dizia que raquel poderia estar com a mesma coisa...
Fomos para a Clinikids. No caminho ainda liguei novamente para o nosso pediatra e relatei tudo o que estava acontecendo com a Raquel. Ele disse para dar Digesan pra ela e ligar a noite pra ele, caso ela não melhorasse. Nessa altura, nem demos ouvidos. Consultamos com uma pediatra  bem legal que nos disse "se fosse minha filha, eu levava agora para a emergência"... levamos para o Nossa Senhora das Graças, seguindo indicações dessa mesma pediatra. Lá fomos atendidos rapidamente - das outras vezes que levei Raquel lá, fiquei no mínimo 2 horas esperando - o médico examinou, pediu um monte de exames e eu perguntei se não poderia ser meningite, se não era bom fazer o exame próprio pra isso... no início ele disse que não era necessário... nisso Raquel vomitou novamente... e ele então disse "acho que vamos colher o licor pra ver se é meningite" ... Quando foram coletar sangue da pequena, ela nem se mexeu, não chorou nem nada... desesperador! Fizeram rapidamente todos os exames... o resultado de sangue logo saiu e adivinhem: Meningite! Uns dois dias depois descobrimos que se tratava de meningite pneumocócica.
O médico nos disse que iria encaminhar ela direto para a UTI, que era só por se tratar de um caso de meningite, que teria que ficar isolada e tal... disse que era por uns dois dias... sei que no meio do caminho, esse médico foi embora, outra veio e disse que não era mais caso de UTI, veio o resultado do exame e novamente era caso imediato de UTI... nisso tudo, nossos corações iam a mil... sei que Jardel foi em casa buscar roupas pra gente e logo ia voltar... quando ele saiu ela estava no quarto e não iria mais pra UTI... em questão de 1 hora eu recebo a notícia da médica da UTI de que o caso da Raquel era muito grave... meningite bacteriana e septicemia, ou seja, muito grave mesmo... liguei pro Jardel e contei... liguei pra tanta gente... estava totalmente desesperada... a possibilidade de vir a perder minha filha foi a pior sensação experimentada na minha vida. Pensava que não era possível estar vivendo uma situação tão semelhante a que meus pais já passaram... pensei em tanta coisa... só pensava em acreditar, mesmo estando descrente no começo...
Nesse percurso todo, Raquelzinha foi entubada, fez transfusão de sangue, ficou toda presa na cama pra não arrancar todos os fios, teve infecção hospitalar, tomou remédios bem fortes... foram uns 5 dias de agonia total... foi lá pelo terceiro dia de UTI que encontrei o real sentido da palavra FÉ. Tinha ido a igreja pra conversar com o padre. Conversei com ele e sai de lá um pouco melhor. Quando passei na sacristia uma senhora veio falar comigo... "Vamos lá dentro da Igreja, no altar pra conversar com o menino Jesus" ela me conduziu até o altar, se ajoelhou comigo e conversou com Jesus com tanta verdade que eu senti naquele momento que Deus realmente existia... senti de verdade a presença de Jesus Cristo no quarto da UTI junto com a Raquel e o anjo da guarda dela... senti tanta fé e acreditei tanto que tudo ia dar certo... foi aquela mulher que me ensinou que não deveria prometer nada para Deus em troca da minha filha... eu deveria colocar minha filha nas mãos dele e deixar que ele a guiasse... que ele me guiasse... ela rezou comigo e me deixou sozinha... não sei pra onde ela foi e nem quem era... mas sei que foi a partir daquele momento que acreditei de verdade que Raquel iria reagir e voltar linda pra gente.
Sei que saímos da UTI no 6 dia de hospital. Ficamos mais 10 dias no quarto tomando antibióticos bem fortes. E cada dia que passava Raquel respondia muito melhor ao tratamento. Passou a ficar complicado segurar a bebezinha linda no berço... ela estava usando soro direto, daí não podia se movimentar demais para não perder o acesso e assim ter de fazer outro. Foram 16 dias de muita oração, de superação e uma vitória atrás da outra. Dias tão longos e cheio de emoção. Aqueles momentos da vida da gente que fazem você repensar tudo... faz a gente ver o que de fato importa... o quanto um serzinho tão pequeno é capaz de fazer com tanta gente... foram dias em que tive muito medo e ao mesmo tempo muita coragem e força...vimos o quanto somos amados e queridos e como as pessoas são boas... foram tantas orações, tantas mensagens de força, doações de sangue, companhias e tantas outras manifestações de carinho.
Aprendi que com criança a gente não espera pra ver se o remédio vai fazer efeito de noite... que nunca se deve dar medicamentos indicados por telefone sem ao menos o médico ter visto seu filho...que acima de qualquer médico daqui existe o grande Pai do universo... que devemos sempre demonstrar o quanto amamos as pessoas que estão perto... meu Deus, aprendi a valorizar ainda mais minha família e a entender um pouco mais meus pais... vi o quanto sou forte e ao mesmo tempo tão frágil... vi que as pessoas são boas de coração e que fazem sacrifícios pela gente, que a gente nem desconfia... vi o quanto sou feliz e o quanto ainda tenho pra aprender. Não sei se quero falar muito mais sobre isso tudo... só quero dizer pra todos muito obrigada e que Deus exerceu um verdadeiro milagre em nossas vidas.



quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A escolinha e seus efeitos

Eta semana pesada.  Como havia dito, Raquel começou na escolinha na semana passada. Pois bem, nem uma semana depois e ela já estava doentinha. Notei que todo dia estava chegando em casa bem quietinha, sem muitos sorrisos. Na sexta, chegou totalmente pra baixo. Só queria ficar deitada nas minhas pernas, nada de querer brincar... pois bem, a noite notamos a febre... no sábado continuou com febre... e na madrugada de domingo não dormiu direito... eu e Jane levamos pro hospital domingo de manhã... depois umas 3 horas de espera fomos atendidas... resultado: garganta inflamada e segundo a médica, devíamos dar antibiótico e não levar ela a semana inteira pra escolinha... Aíaí... díficil de fazer a adaptação da bebê na escolinha... Depois que saímos do hospital, Raquel começou a ter diarréia - ligamos pro pediatra dela - ele disse pra não tomar antibiótico e darmos uma dieta para prender o intestino... Na segunda, eu comecei a passar mal, mas muito mal... parecia que ia morrer! Lá fomos eu e Jardel pra emergência de outro hospital... mais umas 4 horas entre espera e soro sem medicamento nenhum... Fiquei muito furiosa nesse dia no hospital. Falamos para a médica que tinha ido lá, pelo fato de eu ter uma bebezinha, que depende de mim e do meu leite... eu queria um medicamento pro estômago que não fizesse mal pra Raquel e frisei que não podia ficar muito tempo no hospital pois tínhamos deixado ela com parentes...Sei que depois de me dar soro puro, sem medicamento nenhum, tive que meio que ameaçar que ia tirar o acesso e ia embora sem a médica me liberar... gente, mesmo com plano de saúde, a saúde tá muito deficiente...
Bem, sei que chegamos pra pegar a pequena e vimos que ela estava num processo alérgico... tava com o rostinho horrível...aí, demos anti alérgico e no dia seguinte levei ela na médica de alergia do leite dela...segundo a médica a alergia era provavelmente por causa da picada de algum inseto... Graças a Deus que não foi por causa do leite. Mas nossa saga com médicos não acaba aí. Jardel acabou ficando mal. Nossos vizinhos também ficaram do mesmo jeito que a gente. Sempre ouvi que a escolinha faz eles pegarem um monte de pereba mesmo, mas nunca achei que isso tudo passasse de maneira tão forte pra gente. Eita que a bruxa tá solta. Ainda não estamos bem, mas vamos nos recuperando.

Já que falei da alergia do leite, vou aproveitar pra frisar que faz 15 dias que Raquel tem ingerido o leite de vaca e seus derivados e tem reagido super bem. Não teve nenhuma reação adversa. Fico imensamente feliz por causa disso. Só quem tem um filho alérgico sabe dos perigos e do sofrimento. Acho que o mais dificil é você fazer as pessoas a sua volta entenderem que se a criança provar determinada coisa com leite, ela vai passar mal. Aliás, recomendo que sempre que você vá oferecer um alimento para a criança - que não é sua - pergunte antes, para os pais, se pode ou não dar determinada coisa pra ela.

Aproveitando pra falar também, que Raquel, apesar de ter ido apenas 1 semana pra escolinha, já tem mostrado pra gente muita coisa nova. A gente já vinha ensinando ela a bater palminhas, mas agora bate direitinho... uma fofa... coloca a chupeta na boca, sozinha... uma foa... começou a esboçar um tchauzinho...uma fofa!!!

No mais vamos que vamos...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

O primeiro dia de aula!!!

Nossa pequena Raquelzinha tá ficando grande... tá indo pra escolinha! Na verdade, a pequena tem crescido super bem, está até acima da média de crescimento para bebês da idade dela (também, tendo um pai de 2 metros de altura, não dá pra esperar que ela seja baixinha). Foi com muito aperto no coração que mandamos ela pra escola/creche. Minha licença está acabando e sendo assim, precisávamos de alguém para ficar com ela. Pesquisamos muito antes de escolher o cantinha onde Raquel vai ter contato com outros bebês e com adultos diferentes. A procura pela escola ideal, não existe. Simplesmente porque não existe escola perfeita. Sempre tem uma coisa que se destaca mais que outra. Sempre tem algo que a gente gosta muito ou detesta de cara. Depois de várias visitas em muitas escolas, a que escolhemos nos deixou satisfeitos. É uma escola bem bonitinha, com bastante gente cuidando, com câmeras de segurança (menos nas salas de aulas), com uma alimentação bem balanceada, um valor razoável pelo custo benefício... a única coisa que me desagradou um pouco, é por ficar meio longe do nosso trabalho e mais perto de casa. Queria muito poder de vez em quando dar um cheirinho na pequena no meio do dia, mas como estamos longe da escola, o jeito é deixar e tentar não me sentir muito culpada por deixar ela o dia todo na escola.
Os primeiros dias tem sido de adaptação. Na segunda ficou 2 horinhas, na terça 3, quarta 4 horas e meia... hoje vou deixar 5 horas. Segunda a tia da turminha dela, ela super se comportou bem. Chorou um pouquinho no primeiro dia, mas nos outros ficou bem calminha. Raquel na verdade, sempre foi uma bebê muito boazinha. Ela, só não gosta de ficar sozinha, mas de resto tudo bem. 
Pra mim, a adaptação tem sido tranquila. Sempre achei que iria ficar chorando, desesperada. Talvez, eu não tenha chorado ainda, pelo fato de Raquel estar ficando apenas meio período por enquanto, ou seja, dá tempo de brincar muito com ela, dar muito beijinho e acompanhar todo desenvolvimento dela. O pior vai ser quando eu voltar a trabalhar de fato. Agora, tenho aproveitado pra tomar banho sem pressa, arrumar a casa, escrever meus textos de teatro, ver novela, ver filminho, internet...ou seja, ocupado bem a cabeça. Não dá tempo de ficar triste não.

Vi hoje pela manhã, esse vídeo e confesso que daí me deu certa tristeza. Justamente pelo que mencionei acima, ficar o dia todo longe da Raquel quando eu voltar a trabalhar, vai ser duro. Acho que devíamos ter o direito de ficar até 1 ano de idade com nossos pequenos. Penso que essa fase deles vai passar e a gente mal vai conseguir ver, enquanto que o trabalho, vai continuar existindo da mesma maneira que ele é. Como t eu e a maioria das mães precisa continuar trabalhando, o jeito é não pensar demais e aproveitar ao extremo o tempo disponível com nossos filhos. Sempre importante, darmos muito tempo disponível para eles. 

O vídeo é bem legal, pra quem tem filho ou pra quem pensa em ter ou pra quem tem dúvidas se quer ter...




terça-feira, 2 de outubro de 2012

Ensinando a dormir no berço [post do Jardel]

Faz dias que não apareço por aqui, e nada melhor que as 2 da manhã, de uma terça pra quarta feira neh? :-)

A Raquelzinha sempre teve mania de acordar de madrugada e ir dormir com a mamãe dela, mas fazia um tempo que queríamos tirar a mania dela. Lugar de bebê dormir é no berço. Só que de madrugada é tudo mais difícil, e ela sempre ganhava pelo cansaço.

Agora não :-)

Combinei com a Kely de nós tentarmos sermos mais fortes que a pequenininha, e fazer ela dormir sempre no berço. Estamos na luta desde ontem. Resultado? 2 dias sem dormir direito, mas vai valer a pena. Já ouvi falar que no quarto, ou quinto dia, a criança se acostuma, e muda sua rotininha.

P.S. Hoje não deu certo o planejado, acabou nossa pilha antes da Raquel, amanhã tentamos de novo. Bora aproveitar pra dormir 4 horas, que amanhã é dia de índio.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Viajando de ônibus com a mamãe!

Dia desses eu e Raquelzinha fomos visitar os primos e tios e voos queridos lá pelas bandas de Floripa/Palhoça. Por questões de trabalho e afins, o papai não conseguiu ir conosco. O jeito foi ir de ônibus pra lá. Raquel já havia viajado de carro algumas vezes e sempre se comportou muito bem. Quase todo o tempo de duração das viagens ela sempre ia dormindo, super tranquila. Então, achei e torci muito para que a viagem de ônibus fosse a mesma tranquilidade. 
Quando a gente vai encarar uma aventura dessas com um bebê e sem a companhia de um adulto, é preciso calcular tudo muito direitinho, evitando assim, apuros desagradáveis.  A primeira coisa que me preocupei foi com o número de bagagens que iria poder levar. Para isso, era preciso saber se ia contar com a carona do primo Cristiano lá em Floripa. Conversando com ele pelo face e tudo acertado: ele iria nos buscar na rodoviária e me assegurou que o carrinho da Raquel caberia dentro do porta-malas. O carrinho da pequena é um tanto espaçoso. Dependendo do carro e do número de bagagens ele ou as malas não vão poder entrar no porta malas. 
Levei uma mala com roupas para mim e outra para Raquel (ambas pequenas). Coloquei o necessário para mim e tudo que achava que Raquel poderia vir precisar. itens como fralda, papinhas e lenço umedecidos deixei para comprar por lá mesmo, para evitar carregar mais coisas ainda. Jardel nos levou até a rodoviária daqui. Ainda bem! Pois tivemos que atravessar a rodoviária passando por um monte de escadas. Depois de atravessarmos com carrinho, malas e claro nossa pequena, Jardel descobriu que existe um portão de acesso especial para cadeirantes e possivelmente para pessoas que necessitem atravessar o caminho estadual para o inter estadual sem subir e descer tantas escadas. Para viajar com Raquel de ônibus só precisei do meu RG e do registro de nascimento dela. Bem tranquilo. Jardel me ajudou dentro do ônibus, até eu me ajeitar direito e depois disso foi embora. Raquelzinha ficou hiper curiosa! Tudo ela olhava e dizia "Ôôôô"... coisa mais fofa. Queria olhar tudo e não queria saber de ficar sentada. Embarcaram mais dois bebês. Um sentou bem na nossa frente. Confesso que tinha esperança de ir sentada só eu e Raquel nas duas poltronas...mas o ônibus foi completamente lotado. Sorte nossa, é que a senhora que foi na poltrona do nosso lado, era muito gente boa. Fomos conversando até Balneário sobre filhos, vida, receitas e tantas coisas que nem vi o tempo passar. Raquel dormiu quase todo esse trecho. Acordou quando o ônibus ficou preso num congestionamento. Dai queria ficar em pé, sentada, deitada... queria sorrir, chorar, mamar...levei mamadeiras com água e vitamina. Tomou tudo das duas. Ficamos mais de 1 hora quase parados. A senhora desceu em Balneário e pra nossa sorte ninguém mais sentou do nosso lado. Aproveitei para trocar a fralda da Raquel no banco mesmo. Depois disso, Raquel fez manha, uma reina básica e dormiu quando faltava pouco mais de 1 hora para chegarmos. Na rodoviária, por sorte, na hora de descer do ônibus, uma senhora se ofereceu para me ajudar com a bolsa. Cristiano estava nos esperando e me ajudou com bagagens. Confesso que se eu estivesse sozinha, teria um certo trabalho em segurar Raquel dormindo, pegar as bagagens, achar um táxi e assim por diante... Não falei ainda, mas uma das piores coisas de se viajar sozinha com um bebê é o fato de você não conseguir ir ao banheiro durante o período da viagem. Nosso ônibus não fazia nenhuma parada específica para lanche ou banheiro... tive que aguentar as 8 horas entre sair de casa e chegar na rodo para ir ao banheiro.  Não deixaria de forma alguma Raquel com alguém que conheci durante a viagem e mesmo no sling, seria impossível ir ao banheiro com o ônibus em movimento e um bebê no colo.
Pra voltar pegamos o ônibus executivo. Era 15 reais mais caro. Achei que ele fosse um pouco mais confortável e tal. Na verdade ele era igual ao da ida, tirando é claro que ele tem água a bordo e que só para em Balneário e Joinville. O problema foi que acabei pegando um horário meio final de tarde e novamente o veículo estava lotado. Dessa vez, não tive a mesma sorte. Vim com Raquel dormindo quase o tempo todo, mesmo se mexendo um monte no colo e um senhor ao lado. Como estava escuro, não consegui ver de fato como estava a fralda da Raquel (chegou muitooooooo cheia em casa) e confesso que em certos momentos deu uma certa agonia o ar condicionado e os celulares tocando a todo momento. Não consegui trocar a fralda como na ida. Ela não quis tomar muito a mamadeira, mas dormiu praticamente 90% do tempo da viagem. Ah, uma coisa, bem importante, é que rodoviária é um lugar muito sinistro. Então, todo cuidado é pouco com os pequenos. É sempre bom ficarmos muito atentos e cuidar com os estranhos que chegam até nós com boas intenções.
Me perguntaram se mesmo sendo meio complicado o esquema de viajar só com um bebê, se eu iria novamente. Com certeza sim! A sensação de viajar com a minha filha foi única. Tinha alguém pra dividir o momento, para mostrar coisas interessantes do caminho, para curtir o descobrir das reações da Raquel perante tanta novidade. Falando em novidade, foram muitas neste período de estada na casa dos parentes. Vou contar mais detalhadamente em outro post. Agora, bora dormir, que a pequena ta num acorda e dorme que quero aproveitar o momento de dormir agora.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Viva! 8 meses chegou!

E estamos que nem bobos... qualquer coisa estamos dando risadas. Tudo pelo simples fato de que nossa pequena Raquel está completando 8 meses de pua alegria. Ela completa seu oitavo mêsversário já engatinhando, sentando rapidinho, saindo do sinto de segurança da cadeirinha, ficando em pé no berço, se apoiando no que ver pela frente, colocando a mãozinha no chão quando vê que vai cair (na maioria das vezes), comendo de tudo, ou seja, tudo que é frutinha, verdura, legumes.... (menos qualquer coisa que tenha leite), dando gargalhadinhas com os desenhos prediletos, demonstrando felicidade quando vê a mamãe e o papai, brincando de "achoooo", fugindo da gente na hora da troca de roupa ou  fralda... eita, tanta coisa que é até díficil de lembrar de tudo.... é tudo tão rápido no desenvolvimento dela que dá vontade de fazer o tempo andar bem devagar pra ficar mais tempo curtindo cada fase maravilhosa dela...
Filha linda da mamãe e do papai, estamos extremamente felizes! Somos abençoados por ter recebido um presentinho tão sorridente e feliz quanto você! Te amamos!










quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Dias felizes...

Todo dia com nossa bebê tem sido cheios de alegrias. 
Raquel agora já se senta sozinha! Noite dessas abaixei a grade do berço pra colocar ela pra dormir ( se eu não abaixo, mal consigo colocar ela dentro do berço, geralmente coloco ela toda torta e assim acabo acordando a bebezinha), aí antes de dormir pensei em deixar abaixada mesmo... mas me deu um pressentimento que era melhor erguer novamente. Pois bem, de madrugada quando ela chorou e fui ver o que era, lá estava Raquelzinha, sentada no berço me olhando. Me deu vontade de pegar e encher de beijo. Bebê começa a ficar independente. Começa a fazer o que quer e quando quer. Depois dessa vez, já vimos Raquel se sentar uma porção de vezes. Ela se vira de barriga pra baixo, se apóia nas mãozinhas e vai subindo o corpinho. Isso tudo muito rápido e lá está sentada.
Descobrimos o terceiro dentinho. Pensei que o tão esperado novo dentinho fosse sair na parte de cima da boquinha, mas que nada, saiu em baixo, do ladinho dos outros dois. Nem posso reclamar. Assim, tenho mais tempo garantido sem que a pequena comece a morder meu seio enquanto mama. 
Hoje saímos com a tia Midori. Fomos ao shopping passear e matar as saudades. Raquel super gostou da companhia. Deu gargalhadas com a tia Midori brincando com a bexiga em uma loja e mostrou que já sabe brincar de achar a pessoa de um lado para outro. 
Falando em passear, é só a gente chegar perto da porta e mexer na chave que Raquel dá gargalhadas de felicidade. Acho que assim como nós, eles também ficam entediados de ficar muito tempo em casa. Raquel também já sabe que algumas pessoas são aquelas que vão levar ela pra passear. Só de ela ver a tia Jane, já fica toda alegre. Vai pro colo da Jane sem reclamar, vai pra casa da Jane sem reclamar, sai de carro com a Jane sem reclamar... super adaptada com a amiga tia vizinha.
Agora, bebê dorme no berço. Voltamos da consulta mensal do pediatra e ele disse que Raquel está super bem. Bem gordinha e super alta! Amanhã começamos as sopinhas com carne! Mais um sinal de que nossa lindona está cada dia mais fofa e mais independente.

Casa tia Jane!

Passeio com a mam~e e tia Midori!




 
 

sábado, 11 de agosto de 2012

3 dentinho ta vindo [Post do Jardel]

Oi pessoal, lista de peso e altura atualizadas. A Raquelzinha ta firme e forte no crescimento dela. E cada dia mais princesa.

Escutem o som mais legal deste mundo.





Hoje nasceu o terceiro dentinho da Raquel. E fizemos o primeiro book dela. Dia corrido e agitado. Não é a toa que está dormindo agora. 


sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Cheia de emoção

Tarde e me deu uma vontade de compartilhar algumas novidades da pequena. Hoje em especial vimos o quanto Raquel tem desenvolvido rápido. Num piscar de olhos nossa pequena não fica mais onde queremos que ela fique. É piscar o olho e cadê Raquel? Não importa se é rolando, se é indo de bundinha, se engatinhando male má... Raquel se movimenta pela casa. Vai descobrindo que seu corpo pode ir além daquele lugar que papai e mamãe colocaram ela. Quem conhece nossa casa sabe que temos um ático (antigo sótão)... quase todo dia acordamos eu e ela lá por 6 da manhã e vamos terminar nosso sono no colchão lá em cima... Hoje acordei e fui tomar um café... quando escutei um resmunguinho fui ver... hehehe, levei uma surpresa! Raquel tinha saído do colchão, pulado o travesseiro e estava há uns 2 metros do lugar que eu tinha deixado ela. Não sei se me assustei ou se fiquei orgulhosa. Acho que os dois. Tão lindo ver que ela tá crescendo e crescendo bem. Passei o dia todo perto dela no ático. Deixei ela ir explorando o colchão, o tapete, o chão de madeira.... depois de muito brincar no tapete eis que se joga pra trás e abre a boca a chorar... pego no colo, acalmo e minutos depois tá lá de novo, querendo fugir do meu colo e se mandando pro tapete... lindo demias de ver! De noite Jardel ficou com a gente no tapete e se encheu também de orgulho por ver a filha querida explorando o mundo. Tudo em um bebê nos faz ver como a vida é potencialmente generosa. Eles nos fazer parar e dar valor pra um simples tapete no chão que é visto agora como a estrada percorrida da nossa pequena. É o obstáculo vencido por ela, que quando consegue alcançar o chinelo da mãe dá garalhadinhas de felicidade. Um bebê, a nossa bebê me faz agradecer todos os dias por estar tendo a possibilidade de parar e ficar observando a vida passar numa outra sintonia. Sem pressa, sem atropelos... apenas vendo o curso natural da vida acontecendo...


sábado, 28 de julho de 2012

Só tendo pra saber....

Todo mundo que já tem filho já deve ter dito pra alguém a seguinte frase "só tendo filho pra saber"... você provavelmente já ouviu também está afirmação. Hoje tendo nossa princesinha posso com certeza repetir a expressão com propriedade "Só tendo pra saber"!!! Não dá para descrever o significado de você ter um filho. A gente pode chegar perto, pode passar a sensação, mas saber de verdade só vivendo a coisa mesmo. Os pequenos mudam completamente a estrutura da nossa vida. Escrevendo esse texto parece que estou só repetindo uma porção de coisas que ouvi de minhas tias, amigas, mãe e mais um monte de gente que conhecei que já havia experimentado a maternidade ou paternidade. O fato é que Raquel hoje está com 7 meses e 5 dias e tem exercido verdadeiras mudanças na nossa rotina e assim na nossa maneira de encarar a vida. 
Antes de ter ela eu sempre imaginava que conseguiria fazer tudo o que eu queria. Ainda consigo, mas em um outro tempo, em outro compasso. Não dá mais pra fazer mil coisas ao mesmo tempo. Aquela coisa de marcar mil compromissos pro mesmo dia, já não existe mais. Percebemos que Raquel se cansa com muita coisa na mesma data e com isso a gente também. Não conseguimos mais fazer as coisas hiper rápidas como antes. Agora estamos mais pro tempo dela que pro nosso. Claro que procuramos achar um meio termo, mas esse meio ainda está pendendo mais pro lado da pequena.  Exemplo disso é que levei 3 dias pra conseguir assistir o filme "Cantando na Chuva"... tarefa que pode parecer hiper fácil para quem não tem um bebê mas que para mim foi comemorada quando consegui ver o "The End" na tela.
Todos os dias temos vivido várias surpresas com a pequena. As últimas novas são que agora ela se joga completamente pra vir pros meus braços. É claro que eu fico toda cheia... adoro quando ela me vê e se joga, como quem diz "minha mamãe querida"... mas ela também tem demonstrado sinais de que não gosta quando eu saio de perto... sim, pode estar bem calminha, é só eu aparecer e sair da sala que ela abre a boca... estamos tentando acostumar ela com a ideia de que eu vou sair e logo eu volto, que ela não precisa ter medo, pois logo ou um pouquinho mais tarde eu vou aparecer novamente pra ficar com ela.  Falando em ficar com ela, consegui uma licença capacitação de 3 meses pela empresa. Fiquei muito feliz com essa licença. Assim, essa semana comecei a fazer um curso relacionado aos interesses da instituição e ainda consigo ficar mais tempo com Raquel. Pra gente essa licença veio muito a calhar. Raquel tem alergia ao leite de vaca e ao ovo. Como ela não está mais mamando somente no seio, temos que complementar a alimentação dela com um leite especial. Ele não contém lactose e nem soja. Temos dado uma mamadeira no horário do curso, uma a tarde e uma a noite antes de dormir. Bem, esse leite especial é também ultra caro. Custa cerca de 90 reais a lata, ou seja, realmente ultra caro. Estamos em processo para conseguirmos as latas pelo SUS, assim como conseguimos o clexane na nossa gestação. Por causa do dito curso, essa semana minha vida deu uma verdadeira reviravolta. Até então, eu até que estava conseguindo me organizar com a casa (o básico) e cuidar da Raquel. Agora, estou tendo uma certa dificuldade em dar conta de tudo. Sério, os dois primeiros dias achei que iria surtar. Hoje, quinto dia, já estou mais calma. Acho que aos poucos eu encontro a forma certa de conduzir tudo.
Uma das coisas que me fez ficar um pouco tensa nessa semana, além da nova rotina de estudos, foi o fato de Raquel ter entrado numa crise alérgica. Eu sem querer, comi uns biscoitos que só mais tarde eu fui ver, tinham leite. Comi também no mesmo dia, ovo de codorna e não sei se um, se outro ou se ambos causaram uma alergia na Raquel. Ela ficou com a pele toda vermelha e inchada, cheia de bolinhas no rosto e super irritada. Todos esses sintomas, resultaram em colo e mais colo. Estou dando um anti alérgico e segundo o pediatra amanhã a alergia deve começar a passar. 
Essa semana também demos um pulo na praia. Fomos eu e Raquel com o vovô Arnaldo e a vovó Deda. Apesar de ter disso uma viagem rápida, deu tempo de dar uma voltinha na praia com a pequena. Fomos só eu e ela ver o mar. Ela ficou toda atenta. Ficava olhando admirada as ondas e os passarinhos que voavam na praia. Coloquei o pezinho dela na areia e ela adorou. Ficava arrastando o pezinho com as pontas dos dedinhos... depois de um tempinho resolvi molhar os pezinhos dela...foi colocar o pé na água pra alguém abrir a boca a chorar. Realmente a temperatura da a´gua não estava das melhores. Foi uma vivência bem legal essa. Andei mais um pouco com ela sempre no sling e voltamos pra casa da praia. Lá ela olhava tudo. Brincou bastante no colchão jogado no chão até chegar a hora do banho. Como não levamos banheira, improvisamos uma bacia da vovó pro banho. Foi nessa hora somente que Raquel mostrou que não estava muito em casa. Ela olhou pra tudo no banheiro e começou a chorar. Depois de muita cantoria, conversa, brincadeira ela acabou se acalmando, mas mesmo assim com a carinha de desconfiada. 
Hoje estava sentada no quarto dela, tentando fazer ela dormir e do nada mexi meu pé e ela começou a dar gargalhadinhas. Aí, eu mexia o pé e falava algo e ela ria, ria... Jardel filmou parte da ceninha. Não tive tempo de parar pra editar bonitinho o vídeo, mas resolvi colocar ele mesmo assim. Acho que vou começar a jogar mais vídeos dela aqui, até agora não coloquei pois estava sempre esperando tempo pra editar bonitinho e tal... mas estou percebendo que o lance é começar a divulgar do jeito bruto mesmo... uma hora o tempo para por uns minutos e a gente consegue fazer essas coisinhas...
Ah, só pra terminar o texto, só tendo um filho pra gente saber a alegria que dá escutar essa música emitida por eles....

Link do vídeo: https://www.facebook.com/photo.php?v=3107333902114






 


 

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Absurdo!

Nestes últimos dias tenho observado várias lojas em liquidação de inverno. Até cheguei a me assustar, pois o inverno mal começou e já tão liquidando tudo. Fui então atrás de roupinhas pra pequena. Pena que o diminutivo empregado ao vestuário de criança não se estende também aos preços. Aqui em Curitiba pelo menos, tudo é muito caro, chego a dizer que é o olho da cara. Conjuntos bons, de inverno tipo blusa e calça custam em média uns 70 reais. Vestidinhos fofinhos estão pra lá de "Bagdá"... andando em um shopping mais bambambam da cidade os preços dos vestidos pras pequenas não saem por menos de 150 reais... hehehe e isso já na promoção!!! Se você anda nas lojas infantis das ruas a coisa não fica muito diferente. Existem claro peças mais baratas (nem posso questionar a qualidade, mas geralmente não são tão bonitas)... A gente consegue encontrar um bom vestido de veludo por 80 reais... um de moletom por uns 60 ou 70 reais. O frio tá aí e não tem como deixar Raquel com frio, então fui obrigada a gastar uma graninha em roupas de frio. A média que gastei em conjuntos de moletons forradinhos foi de 60 reais. Achei uns macacões ótimos na C&A bem quentinhos, todo forradinhos...a média também foi de 65 reais. Uma jaquetinha super quente custou 50quentão. Claro que vasculhando bem acabei achando uns bodys bem baratos: 2 por 12 reais também na C&A. Acabei não comprando muitas peças, só o estritamente necessário. Sorte que Raquel ganhou um conjunto muito fofo da Jane e do Fábio, um dos avós postiços Maira e Gilmar e mais um bem quentinho do casal de amigos do Vovô Tomaschitz.  O fato é que tudo de criança é muito caro. As nossas roupas não custam tanto. O pior ainda, é que eles abandonam as roupas a jato...você pisca os olhos e já não servem mais... 
A grande parte das roupinhas da Raquel, eu comprei em São Paulo. Fomos pra lá no ano passado e compramos coisas até o GG. O lance é que ela já está na maior parte das peças usando o GG. Os planos são de em breve dar mais uma passada por lá e comprar coisas pra ela usar até o inverno do ano que vem. A diferença de preços de lá pra cá é absurda. Um vestido que aqui custa aquilo que falei acima, lá você compra por 50 reais. Os bodys dela, todos de marcas boas, pagamos 20 reais na época por 4 peças. Cheguei a comprar macacões por 8 reais. Tudo que trouxemos de lá, encontramos por aqui depois... e tudo pelo triplo do preço. Outro lugar que tem sido bem bacana de comprar roupas boas e mais em conta é via internet. Um site muito bom é o da Privalia (www.privalia.com.br), eles demoram pra entregar os produtos, mas as coisas de lá são todas muito boas e num preço excelente. Tem também o dinda.com.br que é especializado em coisas de criança. Nunca comprei nada de lá, mas vi que possuem um preço bem bacana também. Tem os sites de lojas que você encotra em São Paulo como o www.picolino.com.br e o www.laroya.com.br , ambos parecem apresentar os mesmos preços das lojas de sampa.
O fato é que vale muito a pena a gente pesquisar bem antes de comprar. Você acaba achando coisas com uma diferença de preços bem grande. Estamos guardando todas as roupinhas da Raquel... vai que no ano que vem quando resolvermos encomendar mais um pequeno, elas sejam úteis novamente!!!



domingo, 8 de julho de 2012

Minhoca...

Há uns 3 meses atrás marcamos um médico homeopata que uns amigos recomendaram pra gente. Todo mundo que já consultou com esse médico sempre falou maravilhas dele. Bem, chegou o tão aguardado dia da consulta. Quando marcamos a data Raquelzinha andava bem mauzinha da alergia ao leite (a gente não sabia que era por isso) e agora levamos ela mais para aproveitar a consulta e não por qualquer dor ou sintoma. Raquel, aliás tem estado ótima.  Realmente gostei de cara do Dr. Aramis. Muito atencioso e cheio de perguntas. Perguntou tanta coisa que nem me lembrava mais. Coisas da gestação e da rotina da Raquel. De cara, ele já falou que as bolinhas que ela tem no rosto provavelmente são causadas por alergia alimentar. Desde que ela nasceu passamos cremes e mais cremes e nada faz com que elas sumam do rosto da pequena. provavelmente por estarmos tratando a causa errada. Ele deu um composto homeopata e como um milagre as bolinhas estão quase todas sequinhas. Seguindo recomendações desse mesmo médico, levamos Raquel em uns três ortopedistas. Ele suspeitou que Raquel estivesse com algo no quadril. Depois de vários diagnoóstcos e muitos médicos e exames, a conclusão é de que Raquel está bem. Graças a Deus.
Raquel tem ficado bastante tempo sentada. Não curte mais ficar deitada, quietinha. Adora quando a gente senta ela e deixa vários brinquedos a sua volta. Aqui em casa instituímos o bom colchão jogado no chão. Depois do susto do tombo dela, resolvi não correr mais riscos. E olha que tem sido uma experiência ótima. Ela literalmente se joga atrás das coisas que quer e vai que nem uma minhoca rastejando atrás para pegar. Ela não engatinha, mas com bastante esforço chega onde quer. Uma graça de ver. Tenho aproveitado essa fase para instalar um "chiqueirinho/colchão" em cada parte da casa. Assim tenho conseguido fazer mais as coisas da casa e as minhas e tenho sempre ela perto de mim. Ela tem reclamado bem menos. Raquel detesta ficar sozinha. Fica numa boa brincando com os bichinhos ou mexendo nos pezinhos dela... contanto que a gente esteja perto dela. Pra mim tem sido uma fase ótima. Começo a ter mais liberdade assim como ela. Sexta feira, eu deixei ela no colchão e fui fazer nosso almoço, lavar a louça e ela só me olhando. Acabou dormindo...acordava e via que eu estava ali e dormia de novo... uma fofa.
Nessas últimas semanas Raquel deu pra acordar novamente durante a noite. Estava acordando umas duas ou três vezes. mamava um pouquinho e dormia. Quando eu ia colocar ela no berço, ela acordava e ficava chorando. Foram alguns dias assim. Comecei a desconfiar que ela pudesse estar fiando com fome durante a noite. Não sei se estou produzindo a quantidade necessária de leite pra ela. Comentei isso com o pediatra e ele também acha que pode ser fome. Ele nos recomendou dar complemento pra Raquel. Comprei uma lata de leite e testamos. Dei meia hora de seio e aí tentamos dar o complemento. Quem disse que ela quis mamar? Fez uma cara tão feia, mas tão feia que ficou engraçado de ver. Tá certo que o leite que ela vai tomar como complemento não é lá essas coisas. Como ela tem alergia a proteína do leite de vaca, esse leite é um especial. Tem um gosto muito ruim. Bem, no dia seguinte, mudei a tática. Dei janta pra Raquel antes do banho e na hora de dormir uns 40 minutos de peito. Foi uma maravilha. Ela dormiu a noite inteira. E de duas noites pra cá ela dorme direto, acorda de manhã...mama... troco a fralda...mama e dorme novamente até umas 10 horas da manhã. Hoje acordou 11:30 com o telefone tocando. Aí, aí, uma maravilha!
Outra coisa fofinha que ela começou a fazer é se esconder quando alguém que ela não conhece fala com ela. Uma graça. A pessoa fala e ela se esconde na gente. Outro dia estava num fraldário dando de mamar e entrou outra mãe com uma bebê de 7 meses e a irmã mais velha de uns 7 anos. A menina maior ficou entre as duas e começou a falar. Pra quê né? As duas paravam de mamar e olhavam uma pra outra. A menina falava com Raquel e ela se escondia em mim. Aí mamava e parava pra olhar pra bebê. Era olhar pra ela e começar a rir. Vontade de esmagar a duas. Antes de ontem Raquel deu pra rir sem parar. Ficou dando gargalhada mais ou menos uma hora. Tudo era motivo pra ela rir. Eu fazia um "Buuuuuu" e ela soltava uma risada linda. Som pros ouvidos. Só o que eu tenho a dizer é que é linda essa fase de descobertas. Cada dia me emociono mais e agradeço imensamente a Deus pela filha linda que ele nos deu.











segunda-feira, 2 de julho de 2012

Coração na boca!!!

Ninguém gosta de levar susto com os pequenos. Hoje quase morri do coração. Troquei a fralda da raquel no trocador, como sempre faço, e num momento de bobeira decidi ir pegar lenço no guarda roupas dela... cara, na hora que fui  ainda pensei "ela não vai cair" e foi terminar meu pensamento e escutar um barulhão e um choro desesperado... nossa, não gosto nem de lembrar... sai corrrendo e vi a pequena estatelada no chão... não consigo lembrar como ela estava, se de barriga pra cima ou pra baixo...juntei ela correndo do chão e fiquei tentando acalmar..Não sei se toda mãe é desesperada como eu, mas cara, liguei aos prantos pro jardel pedindo pra ele ir pro hospital e desliguei o telefone... liguei pra luana e nada dela atender, liguei pra minha sogra e ao mesmo tempo tava procurando a chave da casa...achei a chave e sai correndo pra casa da nossa vizinha... cara toquei desesperada a campanhia deles... foi o tempo de eu pedir pra me levarem ao hospital e fechar a porta... acho que em dois minutos tava dentro do carro...hegamos no hospital super rápido.. enquanto isso não deixei raquelzinha dormir... nem sei por qual razão não se pode dormir depois de uma queda, mas fui mantendo ela bem acordada... chegamos ao hospital e logo vimos Jardel... ele pegou a Raquel e eu sai literalmente correndo pra pedir atendimento...nos passaram na frente como prioridade.. Na hora em que abriu um dos consultórios, praticamente fui entrando..invadi mesmo...a médica ficou até assustada...depois de ela colocar a raquel no sistema dela, ela disse "tem de atender a mãe primeiro"... cara, nessa hora eu já tava chorando um monte... sério... díficil saber que você foi responsável pela queda do seu pequeno... Bem..a médica examinou bem a nossa bebezinha e disse que de 0 a 15 (o zero seria no caso da criança estar muito mal e o 15 estar muito bem) ela estava no 15... ufa... graças a Deus.
Sei que chorei mais um monte e tomei alguns copos de água com açúcar pra me aclamar de verdade...De novo vou deitar agradecendo muito a Deus por ter protegido minha princesinha... e nunca mais vou deixar de seguir meu instinto maternal...

sexta-feira, 22 de junho de 2012

.....muitos pontinhos de felicidade....

Coração de mãe se enche de alegria com tanta facilidade. Basta um sorriso da pequena que a gente se derrete toda. Amo de paixão ver os dentinhos aparecendo na bocona aberta de alegria da Raquel. Cada vez mais ela tem nos sorrido mais.  Cada dia que passa tem dado novas gargalhadas com coisinhas aparantemente nada a ver. Eu não me canso de rir junto om ela e ver que ela ri de alegria comigo. Não tem preço que pague esses momentos lindos que temos vivido em família.
Raquel realmente tem alergia ao leite de vaca. Voltamos a introduzir o produtos com leite na minha alimentação e bastou comer alguns pães de queijo e umas fatias de queijo pra nossa pequena mostrar que seu organismo ainda não está preparado para a ingestão do produto. Ela ficou bem irritada, vomitou bastante, saíram várias bolinhas na cabeça dela e o pior foi ver a boca e em redor dela toda inchada. Resultado disso, foi que voltamos a cortar tudo que tenha leite e Raquelzinha voltou a ficar 100%. Segundo a pediatra isso tudo tende a passar com o tempo. Quando Raquel tiver com 10 meses vamos voltar a introduzir novos produtos para ver se ela reage melhor. 
Fomos viajar para Lages com Raquel. Levar ela pra conhecer o frio de verdade. Na real nem pegamos tanto frio assim. Todos os dias que ficamos lá, foram dias de muito sol e um friozinho danado mais a noitinha. Durante todo período de viagem na estrada, Raquel se comportou hiper bem. Dormiu feito uma pedrinha. Acordava apenas quando a gente parava pra descansar ou comer.  Pensamos que por ser um percurso tão longe ela estranharia um pouco ou se irritaria. Mas que nada. Foi que é uma beleza.  Foi bom demais ver todo mundo. Vimos meus pais, meu irmão, cunhada, sobrinha, tias e minha querida vó. Todo mundo feliz, conversando ao mesmo tempo, querendo pegar um pouquinho no colo, dar uns apertões na bochecha fofa dela.  Lá por tantas, Raquel ficava estressada com tanta bajulação. Acho que já comentei que ela fica super irritada quando tem muito barulho. A gente percebe claramente os olhinhos dela, pedindo socorro pro papai e pra mamãe.  
Meu pai não se cabia em si. Era só sorrisos e mais sorrisos. Raquel ficou toda curiosa pra saber que coisa estranha era aquilo na boca do meu pai. Hehehe, era o bigode do vovô. Ela olhava, passava a mão toda admirada. Minha mãe foi exibir a neta pra todo mundo do trabalho e Raquel fazia questão de sorrir pra todo mundo. Minha vó de 91 anos fez questão de pegar a bisneta no colo. A gente até sugeriu que ela sentasse pra pegar a Raquelzinha, mas não quis. Não demorou muito e ela disse "acho que é melhor eu sentar mesmo".... nossa bebezinha já está virando uma bebezona... Aproveitamos para ver a dona Raquel, amiga querida, que foi logo pegando Raquelzinha e pedindo pra Letícia tirar um monte de fotinhos. Ainda não vimos as fotos, mas provavelmente elas registraram a energia positiva do encontro. Também encontramos o querido Cláudio, com quem passamos algumas horinhas bem agradáveis e assim pudemos matar um pouquinho da saudade. 
A viagem também serviu para Raquel pegar um resfriado com um pouquinho de dor de garganta. O incomodo na garganta fez com que ela aprendesse a dar gritinhos... a dor de garganta passou e os gritinhos ficaram... e ela notou que poderia usar eles pra chamar nossa atenção... era a gente ir pro restaurante do hotel pra danadinha começar a gritar gritar e chorar e gritar...afff, um sufoco pra gente conseguir comer. Tivemos que revesar pra conseguir comer. Sei que o último dia no hotel, ficamos duas horas pra conseguir jantar. Outra coisa destes dias de férias foi que Raquel acabou ou dormindo na cama com a gente ou no bercinho do lado da nossa cama. Bem, uma delícia dormir perto da pequena. O problema foi que quando chegamos em casa ela queria continuar no mesmo esquema. Fez a maior choradeira do mundo pra dormir sozinha no berço. Nas três primeiras noites acordou várias vezes. Hoje conseguimos fazer ela dormir sozinha no berço, sem estar mamando e nem no colo.  Quero ver se faço uma rotina mais regrada para Raquel. Percebi que principalmente no lance do soninho estamos deixando muito a desejar. Na rotina dela quero também estabelecer melhor os horários das refeições. Ela já come de tudo. Uma linda!!! Come bem mesmo e se a gente demora pra dar a próxima colherada, é uma Deus nos acuda...como se a comida fosse acabar...
No domingo quando chegamos em casa, Raquel começou a chorar, chorar e chorar desesperada. Pegamos no colo, embalamos, demos mamazinho, trocamos fralda, banho, remédio pra dor, pra cólica e nada dela se acalmar... Bem, resolvemos levar ela no hospital... chegamos no Pequeno Príncipe e descobrimos que não atendem mais pelo nosso plano... fomos pro Hospital das Nações e ela chorando... fizemos o cadastro e ela mais calma...entramos na sala da médica e ela dava risada...pode isso? Tudo que falamos pra médica parecia nada perto do sorrisão e alegria da Raquel... ficamos felizes que ela não tinha nada e ao mesmo tempo percebemos que a danadinha é bem sapequinha...



Hoje além de comemorar os seis meses de Raquel, comemoro também o fato de ter conseguido amamentar ela até aqui. Quem acompanha a gente sabe como foi super difícil esse processo pra nós. Mas graças a minha persistência e ajuda de algumas pessoas conseguimos completar o tempo que o Ministério da Saúde recomenda de amamentação... e por mim esse processo ainda vai longe...
Dias bem felizes esses vividos até aqui e a certeza de que outros maravilhosos estão surgindo!!!




segunda-feira, 4 de junho de 2012

Batizado

Os preparativos para o batizado da Raquel começaram algum tempo antes. Desde quando estava grávida, queríamos muito que Raquel fosse batizada pelo Tio Antemar, que foi quem realizou também a cerimônia do nosso casamento. O tio é diácono e é uma pessoa muito querida para nós. Pois bem, depois de muitos domingos, conseguimos uma data na agenda de todo mundo que desse certo, mas infelizmente por problemas de força maior o tio, na última hora, não pode realizar a cerimônia. Quem celebrou esse momento tão importante na vida da Raquel foi o Padre Alceu da Capela da Polícia. Ele ficou sabendo antes da missa que seria ele quem iria batizar nossa pequena e também mais alguns bebês. O fato é que tudo acabou dando certo. Foi uma cerimônia espontânea e muito bonita. 
Raquel está acostumada a acordar de manhã, mamar e dormir novamente até umas 10 da manhã. Como nesse dia, acabamos tirando ela cedo da cama e alterando a sua rotina, ela ficou super acordada até umas 10 da manhã, quando a missa estava terminando e daí justamente na hora do batizado, ela pegou no sono. Dormiu pesado, não tendo barulho, água na cabeça, algodão no peito que a acordasse. Foi somente na hora em que o padre mexeu na sua testa que Raquel deu algum sinal de que iria acordar, mas foi apenas um instante em que ela se mexeu e voltou a dormir novamente.
Fizemos uma verdadeira festa com os padrinhos, tios, avós e parentes do coração para comemorar este momento na vida da Raquel. Acho fundamental festejar o momento em que Raquel é "abençoada" e passa a ter oficialmente seus padrinhos. A escolha por Jouglas e Joice foi pensando que eles seriam as pessoas ideais para cuidarem da nossa pequena caso algum dia ela venha precisar. Foi pensando no amor e no carinho que eles sempre tiveram por nós e por Raquel que escolhemos eles para assumirem um papel tão importante na vida dela. Acho que os padrinhos são aquelas pessoas que a gente tem um carinho danado e que sente vontade de sempre ter por perto para compartilhar momentos gostosos... Me lembrei da cantiga que toda criança aprende desde cedo "Borboletinha, tá na cozinha, fazendo chocolate para a madrinha"... se até a borboletinha faz algo tão gostoso é sinal de que realmente essas figuras são bem importantes na vida de quase todo mundo. 
O mais legal disso tudo, da nossa escolha, foi ver que Raquel se deu super bem com os padrinhos. Outro dia, precisei deixar Raquel com a Joice, e elas super se entenderam. Raquel ficou super calminha com a madrinha. O padrinho, meio atrapalhado pra pegar a bebê no começo, agora já mostra que leva o maior jeito com os pequenos. 
O fato é que o dia do batizado da Raquel foi um dia muito feliz... um daqueles em que a gente agradece a Deus...que a gente se esbalda comendo e bebendo...que a gente volta pra casa com a sensação de ter vivido o maior momento das nossas vidas.




Família querida!

Família queridacom o Diego!

Dormindo....

...zzz...

...zzz...

Ops!!!

...zzz...

Nem o beijinho do papar me acorda!!!
...quem sabe agora eu acordo...
  
nem água na cabeça...



...zzz...

zzzzzzzzzzzzzz

Resolvendo acordar...

Mesa de guloseimas...  







sexta-feira, 1 de junho de 2012

Dentinhos

Faz mais ou menos uns dois meses que Raquel vem fazendo a maior babação. Enfia as mãozinhas na boca e não há santo que faça ela parar de babar. Na consulta do mês passado no pediatra ele nos mostrou que os dentinhos da Raquel estavam para rasgar a gengiva. E não demorou muito pra vermos os dois dentinhos apontarem. Coisa mais fofa! Hoje eles já estão aparecendo bem e percebemos que Raquel voltou a colocar a mão na boca a toda hora. Agora ela coloca o dedinho em um lado específico da boca. Segundo o pediatra, a gengiva dela está bem inchadinha, ou seja, vem vindo mais dentinhos por aí. Ela até já andou dando umas mordidinhas de leve no meu seio na hora da mamada, mas nada que fizesse eu realmente sentir aquela dor, descrita por várias mães. Já andei lendo inclusive sobre essa situação. Há várias recomendações sobre a melhor maneira de reagir no momento em que o pequeno resolver morder seu seio. Todas elas enfatizam que a mãe deve explicar com firmeza para o bebê que ele não pode morder. Isso de a gente explicar para o pequeno que não pode fazer algo, é algo que acredito que realmente deva funcionar, pois Raquel apesar de tão pequena já entende várias coisas e já começa a estabelecer códigos de comunicação. Uma outra coisa muito comum no momento em que o bebê morde o seio da mulher, segundo as matérias que li, é a mãe dar um grito. É lógico que a mãe grita reagindo a dor inesperada, mas esse ato pode fazer com que o bebê fique muito assustado e não queira mais mamar no seio. O importante é com certeza manter a calma e ir notando os momentos em que geralmente a criança tende a morder para evitar que na próxima mamada a mordida aconteça novamente. Sei que é a coisa mais linda do mundo ver o sorrisão dela... aqueles dentinhos tem feito nossa festa.





quinta-feira, 31 de maio de 2012

Baldinho feliz!


Fazia um tempão que não dava banho na Raquel no balde. Ontem, fizemos a festa. Muito engraçado colocar ela no balde depois desse tempo todo. Acho que já tinha uns dois meses que só vinha dando banho de banheira. Pois bem, na hora de colocar ela dentro do baldinho foi a maior sessão. Ela já fica com as perninhas firminhas e já sabe se segurar na borda do balde, ou seja, eu tentava colocar ela sentadinha e ela queria ficar em pé. Fiquei acho que uns 5 minutos até conseguir fazer Raquel se sentar direito dentro do baldinho. Eu meio que tinha esquecido a quantidade de água que vai nesse banho e coloquei água demais... aí fiquei mais uns cinco minutos tirando um pouco de água com um brinquedinho da Raquel. O lance é que realmente vai bem pouca água, pois quando o bebê senta, o líquido sobe... e se estiver muito cheio é perigoso o bebê engolir água... Outra coisa importante de se dizer é que você nunca deve desviar sua atenção do bebê dentro do balde. Tiramos essas fotinhos, mas sempre bem pertinho da Raquel... sei lá, com bebês qualquer segundo de distração pode significar algum acidente. Mas tomando todos os cuidados o resultado é um banho bem gostoso e divertido.


       
Tentando fazer Raquel entrar no balde... tirando água em excesso


Alegria!

Dentinho querendo sair!
 
Fofa da mamãe!












 


domingo, 13 de maio de 2012

Dia das mães perfeito!




Meu primeiro dia das mães com minha filha fora da minha barriga. Meu primeiro dia das mães efetivo. Não! Hoje completo exatamente meu 144º dia das mães. Desde que tive Raquel em meus braços minha vida se transformou num constante dia das mães. Dias que são extremamente felizes cheios de presentes que não podem ser medidos ou calculados. Desde o dia em que me tornei mãe com um bebê fora da minha barriga, me tornei também uma pessoa mais forte e feliz. Eu fico pensando que não poderia ter recebido presente melhor das mãos de Deus que não a minha filha linda. Cada dia recebo surpresas sutis que me deixam com os olhos cheios de lágrimas. Nesses tantos dias felizes, já passei a entender o que dizem por aí "que mãe é padecer no paraíso"... no nosso caso o paraíso tem sido quase constante...mas as vezes padeço com as dorzinhas que não tenho como passar por ela, pelas vacinas que não tenho como tomar por ela, pelas vezes em que tenho que deixar ela longe de mim sem poder mamar direto no peito, pelos sustos que não tenho como evitar que ela tome... e aí tirando essas coisinhas vivo num constante paraíso onde ganho um presentão cada vez que Raquel sorri enquanto mama no meu peito e decide que quer brincar com a mamãe - ela mama, para, passa a maõzinha na minha boca, eu faço um barulho e ela dá gargalhadinhas, ela volta a mamar e daqui a pouco começa tudo de novo - vivo uma felicidade inexplicável quando ela está com soninho e deito na cama com ela e ela fica brincando com a minha mão e quando vejo, pronto, dormiu nos meus braços sem eu fazer quase nada... adoro quando chego de algum lugar e ela vem no meu colo como se dissesse "mamãe, você demorou muito, já estava com muita saudade de você"... quem é mãe deve concordar comigo que essas coisas são infinitamente os melhores presentes que a gente pode receber.